TOMAR – PS acusa PSD de comportamento «leviano», «usando técnicas de comunicação...

TOMAR – PS acusa PSD de comportamento «leviano», «usando técnicas de comunicação que se baseiam na desinformação e manipulação e desce à má educação e ao insulto»

Num comunicado enviado à redacção da Hertz, a concelhia de Tomar do Partido Socialista lamenta um conjunto de acontecimentos que têm marcado os últimos dias no concelho, centrando ‘baterias’ no Partido Social-Democrata face a «comunicados, declarações dos seus dirigentes nas redes sociais, e mesmo tentativas sub-reptícias de envolver autarcas do PS nas suas lutas partidárias». O PS refere mesmo que «um partido que deveria ser responsável, comporta-se de forma leviana e irrefletida, usando técnicas de comunicação que se baseiam na desinformação e manipulação. Desce à má educação e ao insulto e a estratégias próprias de partidos mais extremados». Este comunicado dá como exemplo a campanha autárquica de 2017, classificada como «a mais suja de que há memória em Tomar», vaticinando que «pelo caminho que leva, este ano parece que irá ser ainda pior». Recorde-se que no decurso dos últimos dias houve registo para intensas polémicas entre Partido Socialista e Partido Social-Democrata, em especial em assuntos como a extensão da rede de fibra óptica (ver aqui , aqui e aqui ) para além da questão relacionada com a criação da app CTT Comércio Local, recentemente apresentada pela autarquia, sendo que a vereação do PSD considera que está em causa uma ideia proposta há alguns meses mas que, na altura, foi recursada.

Eis o comunicado, na íntegra: «Nas últimas semanas, com agravamento nos últimos dias, entre comunicados do PSD, declarações dos seus dirigentes nas redes sociais, e mesmo tentativas sub-reptícias de envolver autarcas do PS nas suas lutas partidárias, temos assistido a uma sucessão de declarações e atitudes que parecem marcar o tom daquilo que serão os próximos meses. Da Presidente do PSD que baralha a sua função de presidente de junta de freguesia com a de líder da oposição, talvez já baralhando também com o de candidata à câmara; de vereadora social democrata, que usa a tática de lançar suspeições infundadas sem alguma vez as ter concretizado junto das instituições próprias, a um ou outro deputado municipal ou outros dirigentes do partido mais anónimos que difundem e partilham nas redes sociais o vasto leque de enganos e falácias, que vão da realidade virtual aos impropérios. Um partido que deveria ser responsável, comporta-se de forma leviana e irrefletida, usando técnicas de comunicação que se baseiam na desinformação e manipulação. Desce à má educação e ao insulto e a estratégias próprias de partidos mais extremados. Percebem-se, mas não pode valer tudo, os ensaios tentados de alguns dos protagonistas para dar nas vistas, talvez fazendo prova de vida em cada uma das fações internas, numa altura em que se vão discutir lugares em listas. Não são alheias as mesmas técnicas eticamente e mesmo juridicamente condenáveis, na sua página oficiosa “tomar na rede”, na campanha que usa o ataque difamatório em relação ao PS, à Câmara Municipal e aos seus elementos, assim como aos funcionários municipais e a muitos outros na comunidade. Trata-se de uma página de um indivíduo, que se tenta disfarçar de comunicação social, com práticas que são vexantes para os jornalistas sérios, uma página que destila ódio, que estimula raiva, xenofobia, misoginia, e as tão faladas notícias falsas, ainda que aqui e ali disfarçando com populistas “notícias” da comunidade. Acresce que, sem qualquer coincidência, promove o PSD, partido do qual até hoje, nunca se ouviu palavra alguma de condenação por tal atuação, sendo até defendida por vários dos seus dirigentes. Todos sabemos que estamos a poucos meses de eleições autárquicas, que a campanha autárquica de 2017 foi a mais suja de que há memória em Tomar e pelo caminho que leva, este ano parece que irá ser ainda pior. A Democracia e os cidadãos merecem respeito e outra postura do maior partido da oposição que deveria ser uma alternativa credível. O PS esteve 16 anos na oposição e ainda que com alguma possível e natural falha, talvez fosse bom o PSD revisitar esse tempo para perceber as diferenças de atuação e postura. Pelo PS, continuaremos a trabalhar, com serenidade e dedicação, sentindo as reais preocupações dos tomarenses, particularmente nestes tempos difíceis que o país e o mundo atravessam. Nomeadamente, na definição de programas e projetos e na constituição das equipas que os defenderão e executarão. Com total confiança nos autarcas, que na câmara e assembleia municipais, juntas e assembleias de freguesia, desempenham em nome das populações trabalho no concelho, prevê-se para março a aprovação formal dos primeiros cabeças de lista pela Comissão Política Concelhia».