TOMAR – Fábrica do Prado tem novo “dono”: reinício da laboração...

TOMAR – Fábrica do Prado tem novo “dono”: reinício da laboração irá decorrer de forma gradual a partir de Abril

A Atena Equity Partners já está oficializada como accionista da empresa tomarense “Prado Karton”, situada na união de freguesias Além da Ribeira/Pedreira. O acordo ficou fechado no dia 18 de Fevereiro e é o culminar de um processo de negociações que decorreu durante 2015. A Atena é uma sociedade gestora portuguesa «dedicada exclusivamente a investir em situações que requeiram capital e capacidade de execução para implementar mudanças operacionais e financeiras», como consta da apresentação no respectivo site. A empresa «é controlada pelos seus três sócios executivos, casos de João Rodrigo Santos, Miguel Lancastre e Victor Guégués», sendo que nos últimos dez anos, ainda segundo a mesma indicação, investiram mais de 150 milhões de euros em 14 transacções, reestruturaram mais de 800 milhões de dívida financeira e coordenaram investimentos no âmbito de mais de 10 processos judiciais (PER e Insolvência). E é precisamente na situação de insolvência do anterior principal accionista da Prado Karton, que tinha 60% de capital, que «acabou por criar diversas dificuldades no normal desenvolvimento da actividade da empresa», como refere uma nota informativa da própria Prado Karton dirigida aos diferentes parceiros e a que a Hertz teve acesso. Ainda no mesmo comunicado, é sublinhado que «estão a decorrer as diligências confirmatórias, sendo expectável que a entrada efectiva da nova estrutura accionista aconteça no final do próximo mês de Março». «Em simultâneo», refere a Prado Karton, a empresa tomarense «está a trabalhar em conjunto com a Atena no reinício da laboração», que tem estado suspensa desde Outubro do ano passado. O reinício da laboração irá decorrer de forma gradual a partir de Abril «mas em que a utilização da capacidade instalada não deverá ultrapassar os 50% no curto prazo». Perante isto, o texto sublinha que o actual Conselho de Administração decidiu implementar o regime de «lay-off», com suspensão total de determinadas áreas funcionais da empresa em Março e redução de horário de trabalho entre Abril e Agosto.