CARTAXO – Município reduziu prazo médio de pagamento

CARTAXO – Município reduziu prazo médio de pagamento

A Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) atualizou hoje a informação que disponibiliza sobre o Prazo Médio de Pagamento (PMP) por município, referente ao último trimestre de 2014. Os resultados oficiais mostram que, no último trimestre do ano, o município do Cartaxo, demorou em média, menos 315 dias a pagar a fornecedores, diminuindo o PMP em cerca de 55%. As contas de 2014, que a Câmara e a Assembleia Municipal do Cartaxo aprovaram em 27 e 29 de maio, respetivamente, e que indicavam os resultados da contenção de despesa, ao longo do último ano, nas grandes áreas de custos municipais, estão agora refletidas nos números oficiais que a DGAL atualizou, e que mostram a diminuição do PMP pelo município do Cartaxo. O PMP diminui no último trimestre do ano, cerca de 55% – o município do Cartaxo, demorou em média, menos 315 dias a pagar a fornecedores. Entre setembro e dezembro de 2014, o PMP passou de 572 para 257 dias. Se comparado o PMP em dezembro de 2014 com o atingido em final de 2013, o PMP diminuiu cerca de 31% – o município demorou, em média, menos 116 dias a pagar a fornecedores. Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara considera que os resultados publicados pela DGAL confirmam “o que afirmei em Assembleia Municipal, 2014 foi um ano de emergência, mas também de viragem”, reconhecendo que os pagamentos efetuados ao abrigo do PAEL, influenciaram os resultados “se não tivéssemos conseguido recuperar este processo, que esteve parado por falta de resposta do município, não teríamos também conseguido dar resposta em tão pouco tempo, a quem aguardava pagamento de dívidas, há muitos anos”. Embora sem “falsos otimismos, que nos possam desviar do caminho que traçámos e é ainda muito longo”, o autarca afirmou que os números da DGAL são importantes na recuperação que o município tem de fazer da sua credibilidade enquanto “instituição transparente na sua ação e responsável nos seus compromissos”, referindo-se “ao esforço que também se fez, no último ano, para que fornecedores de serviços essenciais e entidades parceiras, se voltassem a sentar connosco à mesa, numa relação de confiança e de respeito”. O autarca considera que “apesar do resultado publicado ser positivo para o Cartaxo”, a fórmula que a DGAL usa para calcular o PMP não traduz o “esforço de contenção efetuado pelos municípios na aquisição de bens e serviços, como é o nosso caso”, devido ao critério utilizado para contabilizar essas aquisições.