TORRES NOVAS – Reserva natural do Paul do Boquilobo. Zonas distintas, características...

TORRES NOVAS – Reserva natural do Paul do Boquilobo. Zonas distintas, características e funções

Localizada no distrito de Santarém, a Reserva Natural do Paul do Boquilobo (RNPB) distribui-se entre dois concelhos, Torres Novas e Golegã, sendo classificada como Reserva Natural desde 1980, Rede de Reservas da Biosfera (UNESCO) desde 1981 e Lista de Zonas Húmidas de Importância Internacional (Convenção de RAMSAR) desde 1996. A RNPB encontra-se dividida em três zonas distintas, com características e funções específicas:

Zona Nuclear – Carateriza-se por englobar, maioritariamente áreas permanentemente inundadas enquadradas por formações vegetais naturais e seminaturais, de acesso restrito, destinadas à conservação da natureza e investigação científica tendo importantes funções no controle de cheias durante o inverno e armazenamento de água durante o estio.

Zonas Tampão – zonas estabelecidas no entorno da zona nuclear com objetivo de minimizar o impacto sobre estas e promover a qualidade de vida das populações, especialmente as comunidades tradicionais. Acompanha os principais cursos de água valorizando a mata ribeirinha como elemento de biodiversidade e valorização paisagística. Salvaguarda a existência das alvercas e da vegetação associada e outras áreas de interesse em termos de conservação da natureza. São zonas fundamentais em termos da circulação hídrica funcionando como corredores ecológicos para diversas espécies. Correspondem ainda a áreas de interesse sócio ambiental, áreas temporariamente inundadas ou não inundáveis, com formações vegetais naturais e seminaturais ou povoamentos de folhosas diversas. Estão principalmente vocacionadas para a produção florestal e pastagens, sem prejuízo de abrangerem também zonas agrícolas facilmente inundáveis. São espaços privilegiados para o desenvolvimento de atividades lúdicas ligadas ao usufruto dos valores naturais e também ao desenvolvimento de atividades ligadas à educação ambiental, bem como atividades artesanais como a recolha de plantas aromáticas ou medicinais ou a cestaria.

Zonas de Transição – Áreas agrícolas, nas quais a utilização do solo e da água tem em conta a sustentabilidade dos recursos naturais com especial enfase nos recursos hídricos e as repercussões sobre as zonas anteriores. O facto destas zonas estarem incluídas dentro dos limites da Reserva da Biosfera representa um fator de diferenciação positiva dos produtos agrícolas dando-lhes um cunho de qualidade, valorizando uma agricultura inovadora e economicamente compensadora. Incluí também aglomerados urbanos que representam marcas na ocupação humana destes territórios, tanto na atualidade como em termos históricos. Créditos Fotográficos: Arlindo Homem / www.cm-torresnovas.pt