TORRES NOVAS – Comemorações do Dia da Cidade. Cumpriram-se 36 anos de...

TORRES NOVAS – Comemorações do Dia da Cidade. Cumpriram-se 36 anos de história

Assinalou-se na quinta-feira, 8 de julho, o 36.º aniversário da elevação de Torres Novas a cidade com diversas iniciativas, ao longo do dia, para celebrar a data. Destacando-se a cerimónia de homenagens que ocorreu pela manhã, no Jardim das Rosas, após o içar das bandeiras ao som do hino de Torres Novas e dos discursos do presidente da Assembleia, José Trincão Marques e do presidente da Câmara, Pedro Ferreira, com transmissão em direto através do canal YouTube do Município de Torres Novas. Atribuídos ao abrigo do Regulamento Municipal para Atribuição de Galardões Honoríficos, foram entregues medalhas de mérito municipal de benemerência ao Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) e ao Agrupamento dos Centros de Saúde do Médio Tejo (ACES), entidades que integram o Serviço Nacional de Saúde e que se excederam ao longo dos últimos tempos no combate à pandemia Covid-19. A Câmara Municipal de Torres Novas não quis ficar indiferente à dedicação, esforço titânico e eficiência dos profissionais envolvidos, a bem da saúde pública, tendo sido considerada na decisão a notória e inexcedível dedicação e voluntarismo de todo o pessoal médico, de enfermagem, do pessoal auxiliar e restante pessoal administrativo, técnico e dirigente, congregando parcerias e com excelentes resultados na pronta resposta aos diversos casos pandémicos que foram surgindo quer no concelho, quer ainda dando resposta a muitos outros casos oriundos de vários pontos do país. Diana Leiria, diretora do ACES Médio Tejo, e Casimiro Ramos, diretor executivo do CHMT receberam o galardão e apelaram à manutenção de todas as medidas e cuidados necessários à prevenção desta pandemia e à importância da vacinação. De seguida, decorreu a apresentação do Espaço Cidadão da cidade, a funcionar na sede das uniões de freguesias de Torres Novas, no largo D. Diogo Fernandes d’Almeida, de 2ª a 6ª feira, das 8h30 às 16h30, sendo possível a partir de agora ao utilizador, por exemplo, renovar o Cartão do Cidadão ou alterar a morada, tratar da Carta de Condução, solicitar nova senha ou uma caderneta predial junto da Autoridade Tributária, apresentar despesas junto da ADSE, tratar de assuntos relativos a emprego e formação profissional, solicitar o Cartão Europeu de Seguro de Doença ou realizar os serviços e-fatura, entre muitos outros. Reúnem-se, assim, num único balcão serviços de diferentes entidades, complementando a rede de Lojas do Cidadão e permitindo servir o cidadão, de forma mais rápida e próxima.
Durante a tarde decorreu a visita à exposição «MONDA SONORA – Pesquisa Geo-sonora do Rio Almonda», no Museu Municipal Carlos Reis, num projeto elaborado pelo Colectivo249 de pesquisa sonora, para a valorização e consciencialização sensorial do território natural do rio Almonda e de todo o meio envolvente. Às 19 horas, a Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes recebeu o lançamento do livro «Cidades, comunidades e invenções do futuro – Realidades e utopias» de Luís Vassalo Rosa. Luís Vassalo Rosa nasceu em Penacova, em 1935, e entre 1952 e 1957 frequentou o Curso Superior de Arquitetura da ESBAL. Realizou o CODA – Concurso para a Obtenção do Diploma de arquiteto na ESBAL, em 1961, com a classificação final de 18 valores, apresentando o projeto da Habitação Fernando Lamy, em Nova Oeiras. Em 1983 foi um dos sócios fundadores da Sociedade Portuguesa de Urbanistas, atual Associação dos Urbanistas Portugueses. Em Torres Novas o arquiteto Vassalo Rosa realizou inúmeros projetos: desenhou o Jardim-Escola João de Deus em 1956; projetou a gare de camionagem da empresa Claras Transportes, em 1969, e a sua agência de viagens, em 1971, acrescentando-lhe alterações em 1974; para a Santa Casa da Misericórdia de Torres Novas, projetou o lar da terceira idade (1966), o lar feminino – creche (1968), o centro de dia (1977) e as capelas mortuárias (1965-1983). Entre 1960 e 1974, por encomenda da Santa Casa da Misericórdia de Torres Novas, foi responsável pela recuperação de um edifício de culto com valor patrimonial, a Capela do Vale – Ermida de Nossa Senhora do Vale. Para o Município de Torres Novas, projetou, em 1980, a capela do cemitério de Torres Novas, fez a adaptação das capelas mortuárias de Torres Novas (1965), a esquadra da PSP (1983) e a estação central de camionagem e a torre do relógio (1980). De entre os muitos planos coordenados por Vassalo Rosa, o que mereceu maior projeção e reconhecimento internacional foi o Plano de Urbanização da Zona de Intervenção da Expo’98, iniciado em 1993, que marcou ia cidade de Lisboa e que coordenou, sendo responsável pela sua elaboração e revisão. Em 1999, como «público reconhecimento pelo seu contributo com o seu trabalho para o sucesso da Expo’98», foi distinguido com a condecoração de «Grande Oficial da Ordem de Mérito». Luís Vassalo Rosa faleceu em 2018. O livro «Cidades, comunidades e invenções do futuro – Realidades e utopias» está à venda na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes pelo preço de 15 euros. O programa de comemorações do Dia da Cidade terminou pelas 22 horas, no Jardim das Rosas, com o concerto dos Lokomotiv. Os Lokomotiv são uma das mais antigas formações jazz no ativo em Portugal, surgindo em 1998 a sua estreia discográfica, onde exploram a fusão entre melodias e ritmos de raiz tradicional portuguesa, oriental, africana e a música improvisada, mas também englobando ainda elementos do rock. Silêncios (Foco Musical), o sucessor do disco de estreia, foi considerado pela critica como um dos melhores discos jazz de 2000. Liderados por Carlos Barretto, no contrabaixo, o trio leva a sua música a auditórios e festivais jazz de todo o país, mas também além-fronteiras, com atuações em diversos países europeus e africanos. www.cm-torresnovas.pt