SERTÃ – Município libertou insecto para controlo de praga

SERTÃ – Município libertou insecto para controlo de praga

A Câmara Municipal da Sertã, em parceria com a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro e com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, procedeu a largadas de insetos parasitóides, com o propósito de encetar uma luta biológica para controlo de praga nos castanheiros. O inseto Dryocosmus kuriphilus, originário da China e designado por Vespa-das-Galhas-do-Castanheiro, ataca os exemplares arbóreos dos castanheiros (Castanea), induzindo a formação de galhas nos gomos e folhas, o que provoca uma redução drástica na produção e qualidade da castanha (entre 60 a 80%) conduzindo, por consequência, ao declínio dos castanheiros. O único meio reconhecido atualmente como tendo alguma eficácia no controlo desta praga é a luta biológica, através da largada de um inseto parasitóide (Torymus sinensis), que se alimenta das larvas da vespa e tem um raio de atuação de cinco quilómetros. A reversibilidade do efeito nefasto nos castanheiros só é visível seis a sete anos após a introdução do referido insecto. Deste modo, foram efectuadas largadas do insecto parasitóide (Torymus sinensis) em sete locais distintos do Concelho da Sertã, previamente monitorizados pela Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro e pela Câmara Municipal, onde se situam exemplares de castanheiros nos quais já tinha sido detectada a presença da referida praga. Refira-se também que, o Município da Sertã aderiu recentemente ao Protocolo BioVespa, que prevê um plano de ação que garanta o plano financeiro para a luta biológica. A entidade gestora do BioVespa é a RefCast – Associação Portuguesa da Castanha. Para esta acção, o Município da Sertã assegurou a despesa com a aquisição dos insectos parasitóides, os quais necessitam de ser importados de Itália, através da RefCast.