SERTÃ – Concerto de Bernardo Alves no Jardim da Fonte da Boneca

SERTÃ – Concerto de Bernardo Alves no Jardim da Fonte da Boneca

Bernardo Alves atua no Jardim da Fonte Boneca, na Sertã, no dia 16 de julho às 18 horas, a convite do ciclo “T5 Concertos na Vizinhança”, do projeto FÔLEGO. Esta iniciativa desafia os artistas locais a atuar nos concelhos vizinhos. Bernardo Alves é natural do Estreito, concelho de Oleiros. Mantém desde os 13 anos o hábito de tocar e cantar com a sua guitarra na casa dos seus pais. Inspirado numa série de cantores portugueses, começou a compor cedo e a ambicionar alcançar os palcos mais emblemáticos do país. Num arranque de carreira, conta já com participação no projeto “A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria”, no programa da rádio MegaHits “Home Music Sessions” e já cantou em eventos com a participação de Carlão, Júlio Pereira, Emmy Curl e Miguel Calhaz. Desde junho e até setembro de 2022, o ciclo “T5 Concertos na Vizinhança” contempla um concerto no terceiro sábado de cada mês, em que os músicos tocam num município que não é o seu. É com base nesta “ocupação de casa alheia” que surge o nome desta atividade: T5.

Agenda dos próximos concertos T5:

– 20 agosto em Proença-a-Nova, Aldeia do Xisto da Figueira: Senza
– 17 setembro em Oleiros, Miradouro de Álvaro: Paloma del Pilar

MAIS SOBRE O FÔLEGO
O FÔLEGO – programa de intervenção artística movido pelo combate às alterações climáticas em Mação, Sertã, Oleiros, Proença-a-Nova e Vila de Rei – arranca no Centro de Portugal. O nome FÔLEGO surge da associação do território ao fogo – mas também ao ar, necessário à combustão e à vida – e o programa convida à imersão no património natural por via das artes, apelando à mobilização local, nacional e internacional pela mitigação da crise climática. O FÔLEGO atuará no território entre 2021 e o verão de 2023. Privilegiando o envolvimento da comunidade local em torno de um futuro saudável e consciente, o FÔLEGO terá uma programação cruzada entre áreas artísticas: artes plásticas, dança, fotografia, música, novo-circo, novos media e teatro. Terá como eixo principal a arte participativa e comunitária, em relação próxima com as populações, promovendo a mobilidade de públicos e artistas locais, nacionais e internacionais. Selecionado para financiamento no quadro EEA Grants, Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu, o projeto é promovido pela Academia de Produtores Culturais, em parceria com Mapa das Ideias, H2Dance e Heidi Ruustgard (Noruega), Universidade da Islândia, Associação Pinhal Maior e os cinco municípios – Mação, Oleiros, Proença-a-Nova, Sertã, Vila-de-Rei – atuando num esforço coordenado entre dezenas de instituições locais, nacionais e internacionais, de caráter governamental e não-governamental. O FÔLEGO aliará as artes, a ciência e o ambiente, trabalhando a problemática do clima em várias frentes – não apenas numa abordagem conceptual e artística, mas também pela sensibilização e envolvimento da comunidade em ações concretas no sentido da mitigação e adaptação aos efeitos da crise climática.