SANTARÉM – NERSANT quer economia social mais competitiva e sustentável

SANTARÉM – NERSANT quer economia social mais competitiva e sustentável

A NERSANT – Associação Empresarial da Região de Santarém, realizou em Torres Novas e no Vale de Santarém, sessões de esclarecimento relativamente aos apoios comunitários disponíveis para o terceiro setor. Ao todo, estiveram presentes mais de 150 representantes de diversas entidades da economia social da região, que ficaram a conhecer os programas operacionais no âmbito do novo quadro comunitário, suscetíveis de lhes trazer competitividade e sustentabilidade acrescida. O Diretor da Segurança Social de Santarém, Tiago Leite, esteve presente nas sessões dinamizadas pela NERSANT, tendo começado por aconselhar as instituições “a repensar o seu modo de gestão”, tornando-as mais sustentáveis e eficientes. Os apoios comunitários, disse o Diretor da Segurança Social de Santarém, assumem especial importância neste contexto, pelo que é muito importante que as instituições estejam informadas dos mesmos. “O novo quadro comunitário diz não ao betão. Não é tempo de construção, mas sim de capacitação, ou seja, tornar viável aquilo que já existe”, fez saber Tiago Leite, apontando os apoios no âmbito da requalificação, nomeadamente no âmbito da eficiência energética, e da inclusão social como os apoios prioritários para as entidades da economia social neste novo quadro. Eduardo Mourinha, Presidente da União das IPSS’s de Santarém e Mário Rebelo, Presidente do Secretariado Regional de Santarém da União das Misericórdias Portuguesas também presentes nos seminários, agradeceram à NERSANT a iniciativa de realizar uma sessão sobre os apoios comunitários para as entidades da economia social e reforçaram a importância da utilização destes fundos por parte das entidades, em prol, de melhores entidades e de melhores apoios prestados aos utentes das mesmas. Relativamente aos apoios concretamente ditos, a NERSANT deu a conhecer os dois programas operacionais no âmbito dos fundos comunitários para as entidades da economia social. Nas sessões, foi apresentado o PO SEUR ,Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos 2014-2020, onde estão enquadrados os apoios para as entidades no âmbito da eficiência energética. Estas candidaturas, foi divulgado nas sessões, abrem em outubro, o que permite a cada entidade elaborar um diagnóstico energético, que pode ser solicitado à NERSANT, que presta este apoio, e preparar atempadamente para a apresentação de candidaturas. Outras das apoios disponíveis é o PO ISE, Programa Operacional Temático Inclusão Social e Emprego, que visa o reforço da integração das pessoas em risco de pobreza e o combate à exclusão social, assegurando a dinamização de medidas inovadoras de intervenção social e os apoios diretos aos grupos populacionais mais desfavorecidos, as políticas ativas de emprego e outros instrumentos de salvaguarda da coesão social. No âmbito deste programa, existem diversas tipologias de candidaturas às quais as entidades da economia social se podem candidatar, estando já algumas em aberto no próximo mês de maio. Após a explicação dos diversos apoios comunitários disponíveis para a economia social, foi vez de dar voz às IPSS’s, que puderam colocar à mesa todas as dúvidas relacionadas com esta temática, e que foram prontamente respondidas pelos profissionais intervenientes. Após o período de debate, o Montepio Geral deu a conhecer os apoios da banca para este setor. António Campos, Presidente da Comissão executiva da NERSANT que fez toda a moderação dos seminários, encerrou as sessões afirmando que a “competitividade não é um conceito aplicável exclusivamente às empresas. As instituições também devem procurá-la, pensando do ponto de vista estratégico e económico, a sua gestão. Isto é essencial para a sustentabilidade das instituições”, concluiu o dirigente da NERSANT. Para mais informações sobre os fundos comunitários, os interessados devem contactar a associação empresarial através do e-mail portugal2020@nersant.pt ou do número 249 839 500.