SALVATERRA DE MAGOS – VII Prémio Infante D. Luís às Artes

SALVATERRA DE MAGOS – VII Prémio Infante D. Luís às Artes

dom luis as artes 2022_versão7

A Câmara Municipal de Salvaterra de Magos está a promover a 7.ª edição do Prémio “Infante D. Luís às Artes – Salvaterra de Magos”. A edição deste ano está aberta a trabalhos de Pintura.
O Prémio Infante D. Luís às Artes tem como principais objetivos dinamizar e incentivar a cultura e as artes, através do intercâmbio de artistas locais e de outras regiões do país. Este concurso alterna entre as vertentes Pintura e Escultura e conta já com um balanço de mais de cinco centenas de participantes nas edições realizadas.
O concurso destina-se a todos os artistas nacionais e estrangeiros, maiores de 18 anos, residentes em território nacional. Os temas e as técnicas de execução das obras apresentadas são livres e cada artista pode apenas apresentar um trabalho a concurso, executado em data não superior a dois anos à data da inscrição. Ao concurso apenas serão admitidos trabalhos originais e não premiados noutros concursos.
Os trabalhos serão avaliados por um júri que inclui um representante do Município de Salvaterra de Magos e dois professores ou artistas que desenvolvam atividade na temática da pintura.
A data limite para a entrega dos trabalhos é 31 de agosto.
Os trabalhos deverão ser entregues ou enviados para a seguinte morada:
Câmara Municipal de Salvaterra de Magos (Prémio “Infante D. Luís às Artes”)
Edifício do Cais da Vala
Avenida José Luís Brito Seabra, nº.137
2120-052 – Salvaterra de Magos
Ficha de inscrição/participação pode ser obtida em:
https://www.cm-salvaterrademagos.pt/informacoes/noticias/item/4326-vii-premio-infante-d-luis-as-artes-pintura

Infante D. Luís:

Em 1542, o “Senhorio” de Salvaterra foi entregue ao Infante D. Luís. Com ele o Paço Real de Salvaterra de Magos conheceu um enorme desenvolvimento. Homem com uma especial dedicação às artes, das quais foi mecenas, mandou reedificar em Salvaterra de Magos um novo Paço Real que, em muito, contribuiu para a fixação da Família Real no Concelho, tornando-o num grande polo cultural da corte. Também aqui mandou construir a Capela Real e era neste Palácio Régio que residia a maior parte do ano.
Como mecenas das artes, o Infante D. Luís mostrou predileção pela poesia e grande afeto ao teatro e a Gil Vicente. No entanto, atendendo à importante ligação do Infante às artes e a Salvaterra de Magos, consideramos merecedor de atribuir designação ao prémio que a Câmara Municipal lança pelo sétimo ano consecutivo.