OURÉM – Está confirmado! Polícia Judiciária deteve suspeito de ter ateado incêndio...

OURÉM – Está confirmado! Polícia Judiciária deteve suspeito de ter ateado incêndio na Freixianda

A Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, em inquérito dirigido pelo DIAP de Santarém e com a colaboração da Guarda Nacional Republicana de Ourém, procedeu à detenção do presumível autor de dois crimes de incêndio florestal na zona de Ourém. Está em causa uma ignição deste domingo, precisamente na freguesia de Freixianda, local onde deflagraram dois focos. O indivíduo foi visto a abandonar o local dos factos e perentoriamente identificado por testemunhas, «sendo que o mesmo possui antecedentes criminais e policiais pela prática do mesmo tipo de crime», reforça a PJ. Está em causa um homem, de 45 anos de idade, de nacionalidade portuguesa, que agora será presente às autoridades judiciárias competentes para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Incêndio «totalmente dominado» – O incêndio de Ourém «está completamente dominado». A garantia é de David Lobato, Comandante Distrital de Operações de Socorro de Santarém. Ainda assim, estão no terreno cerca de 600 bombeiros por forma a evitar ou responder a eventuais reacendimentos, num dia de muito calor e onde o vento irá ter maior intensidade do que neste fim-de-semana. O incêndio, recorde-se, deflagrou na tarde de quinta-feira, na localidade de Cumeada, e esteve incontrolável desde então, chegando mesmo ao concelho de Alvaiázere, já no distrito de Leiria, onde destruíu algumas habitações e anexos e matou animais em explorações agrícolas. Em Ourém, por sua vez, també há a lamentar alguns imóveis destruídos pelas chamas, assim como 14 pessoas feridas, 12 das quais bombeiros. Todos eles considerados como ‘ligeiros’. O cenário poderia ter sido bem pior não fosse a rápida mobilização de meios e a evacuação de algumas aldeias, casos de Charneca, Abades, Casal do Rei, Lumiar ou Ameixieira. O incêndio está, então, em resolução mas as próximas horas serão decisivas e irão avaliar a capacidade de resposta dos operacionais a possíveis reacendimentos.