OLEIROS – Entregues os primeiros “abrigos” de apoio à agricultura de subsistência

OLEIROS – Entregues os primeiros “abrigos” de apoio à agricultura de subsistência

Os incêndios dos últimos anos ficarão para sempre na memória dos habitantes do concelho de Oleiros, pelo rasto de destruição que causaram nas nossas gentes e nos seus pertences. O processo de reconstrução das vidas após as perdas começou logo depois e agora, colhem-se os frutos do projeto de inovação social “Abrigo e Horta”. Dinamizado pela Associação Causa, no âmbito do programa “Parcerias para o Impacto”, o projeto conta com o Município de Oleiros como investidor social. Foi nesse âmbito que o executivo camarário, liderado pelo seu Presidente, Fernando Jorge, se deslocou na terça-feira, 22 de fevereiro, às aldeias de Cova da Azenha e Poeiros – freguesia de Estreito e Vilar Barroco – de modo a que pudessem estar presentes numa simbólica “entrega” dos dois primeiros anexos agrícolas (abrigos) que já encontram finalizados e prontos a utilizar. “Fizemos a entrega oficial a estas pessoas que viram as suas instalações de apoio aos terrenos, completamente destruídas pelo fogo. Consideramos que, dentro do possível, a construção destes dez abrigos é uma ajuda importante e preciosa que damos à população do concelho”, sublinhou o edil Fernando Jorge. Natércia Pires e Carlos Gonçalves, os dois beneficiários dos primeiros “abrigos” que se encontram concluídos, enalteceram “a importância” destas novas infraestruturas para o seu dia-a-dia, funcionando como “apoio direto” ao armazenamento de materiais agrícolas, produtos de cultivo e rações para animais, apenas para exemplificar algumas das suas valências. Em alguns dos casos, pode até servir de abrigo para os animais. Para além do executivo e sua equipa, marcou ainda presença o Presidente da Junta de Freguesia de Estreito e Vilar Barroco, José Jorge Martins, e a arquiteta Lúcia Pato, em representação da Associação Causa. Nas próximas semanas mais infraestruturas como as que foram aqui entregues ficarão finalizadas e, portanto, prontas a ser utilizadas pelos seus beneficiários.