MÉDIO TEJO – Coronavírus. Mais de 900 pessoas tiveram ‘alta’. Número de...

MÉDIO TEJO – Coronavírus. Mais de 900 pessoas tiveram ‘alta’. Número de infecções activas baixou para 2139 na região

A recente actualização da Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo em torno da pandemia na região teve como principal novidade a ‘alta’ concedida a cerca de 900 pessoas, o que baixou, de forma considerável, o número de infecções activas, agora em 2139, isto num total de 6749 casos desde a chegada desta doença ao nosso país. Recordar que as autoridades de saúde reportaram mais 111 contágios, dos quais 51 em Tomar, 18 no Entroncamento, 14 em Torres Novas, 10 em Ferreira do Zêzere, nove em Abrantes, seis em Ourém e três em Vila Nova da Barquinha. Quanto às recuperações, há que saúdar as melhoras de 188 pessoas em Torres Novas, 155 em Tomar, 145 em Abrantes, 138 no Entroncamento, 98 em Alcanena, 75 em Ourém, 38 em Mação, 34 em Ferreira do Zêzere, 26 em Vila Nova da Barquinha, 23 em Constância e 12 no Sardoal. Até agora, no total, já há 4455 pessoas curadas. Há a lamentar 141 mortes no Médio Tejo.

Perante este recente boletim da Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo, Ourém é o concelho com maior número de infecções activas, num total de 596, seguindo-se Torres Novas com 392 e Tomar com 278.

Eis os dados actualizados desde o início da pandemia: Ourém (1675 infecções, 1050 recuperações e 19 óbitos), Torres Novas (1106 casos, 695 recuperações e 19 mortes), Tomar (1041 casos, com 747 recuperados e 16 óbitos), Abrantes (840 infectados, 619 estão curados e 33 mortes), Entroncamento (670 infecções, 520 recuperados e 18 mortes), Alcanena (509 casos, 343 recuperações e 18 vítimas mortais*), Mação (306 infecções, 142 recuperados e seis óbitos*), Ferreira do Zêzere (260 casos, 54 dos quais já recuperados e duas vítimas mortais), Vila Nova da Barquinha (149 casos, 97 dos quais dados como curados e três mortes), Constância (101 infecções, 82 das quais já recuperadas e quatro mortes) e Sardoal (com 92 casos e 72 recuperados e três óbitos).

* Alcanena tem menos seis óbitos do que aqueles que já tinham sido avançados em virtude de um esclarecimento da DGS, que diminuiu esse ‘registo’ devido à causa efectiva da morte nas certidões de óbito.

* Mação tem menos um óbito do que aquele que já tinha sido avançado em virtude de um esclarecimento da DGS, que diminuiu esse ‘registo’ devido à causa efectiva da morte nas certidões de óbito.