Mais articulação entre parceiros, mais envolvimento dos apoiados

Mais articulação entre parceiros, mais envolvimento dos apoiados

No âmbito da Rede Social de Tomar, realizou-se no dia 24 de Abril um encontro de parceiros do Conselho Local de Ação Social (CLAS) subordinado ao tema ” Intervenção Social – Responsabilidades e Competências”. O encontro permitiu uma maior articulação entre os diversos parceiros da rede social, sendo consensual que, perante a complexidade dos problemas sociais, se exige uma intervenção concertada na sua prevenção e resolução. Se os problemas sociais têm hoje particularidades muito específicas e torna-se necessário criar mecanismos de apoio e prevenção, com base nas competências técnicas e jurídicas de cada entidade. Neste amplo debate, a saúde mental foi identificada como uma área onde ainda persistem algumas dificuldades na intervenção e articulação entre as várias entidades. Da parte do Município, representado pelo vereador Hugo Cristóvão, foram colocadas algumas reflexões que considera serem um desafio às entidades com intervenção na área social, nomeadamente a inovação nos apoios, uma cultura de co-responsabilização e o envolvimento das pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade para que consigam sair desse ciclo com a intervenção social planeada e desenvolvida. Frisou ainda que deve existir uma informação ao cidadão muito clara e objetiva, de modo a que cada pessoa saiba a que serviço deve recorrer para solicitar apoio para a situação em que se encontra, evitando a duplicação das intervenções e o desperdício de recursos. Apesar das limitações impostas pela Lei das competências das autarquias, o Município estará presente para ser um parceiro ativo no desenvolvimento de políticas sociais que contribuam para um efetivo combate à pobreza e exclusão social. Para apresentar o trabalho que estão a realizar e dar contributos para esta reflexão, decorreram as intervenções da Cáritas Portuguesa, a cargo de Aníbal Vieira, vigário geral da Diocese de Santarém; da Rede Europeia Anti Pobreza, por Ricardina Dias e Helena Fernandes, técnicas do Núcleo Distrital de Santarém; da Cruz Vermelha Portuguesa, por Joana Rodrigues, responsável pela área do Desenvolvimentos Social; do Centro Distrital da Segurança Social, pelo seu diretor Tiago Leite; e do Ministério Público, através da procuradora Olga Vieira, coordenadora da área de Família e Menores da Comarca de Santarém.