HÓQUEI EM PATINS – 1ª Divisão. Presidente do Valença HC nega animosidade...

HÓQUEI EM PATINS – 1ª Divisão. Presidente do Valença HC nega animosidade com a Hertz

Miguel Fernandes, presidente do Valença HC, já reagiu ao facto de a Hertz ter sido impedida de realizar o relato que opôs a sua equipa ao Sporting de Tomar, a contar para a 1ª Divisão Nacional de hóquei em patins. O dirigente negou qualquer animosidade para com a Hertz ou com o clube nabantino, não deixando, porém, de apontar o dedo ao presidente do Sporting de Tomar. Fica o esclarecimento:

Esclarecimento da direcção da Rádio Hertz:

Na sequência das declarações prestadas à Hertz por Miguel Fernandes, presidente do Valença HC, cumpre informar:

a) A Rádio Hertz comunicou à Federação Portuguesa de Patinagem a intenção de efectuar os relatos de todos os jogos que envolvessem o Sporting Clube de Tomar. A mesma entidade, na sequência, emitiu acreditação para esses citados duelos, sendo que, da parte da FPP, foi referido à Hertz que também deveria ser feita informação prévia aos outros clubes envolvidos. Neste caso, efectivamente, não foi enviado essa informação ao Valença. Quando chegou ao local, ao repórter Rui Bugalhão não foi autorizada a entrada no pavilhão e nem a transmissão do relato, sendo proibida a entrada de qualquer equipamento (telemóvel, microfone e transmissor) inerente à realização desse trabalho.

b) Na altura, a Hertz pediu justificações para este impedimento, sendo que o dirigente em causa nos remeteu «para o presidente do Sporting de Tomar». Cumpre informar que a Rádio Hertz, apesar de sediada em Tomar, é um órgão de comunicação social independente, isento e, como é óbvio, não faz parte da direcção do Sporting Clube de Tomar, querendo, nesta circunstância, cumprir com a sua missão: informar. Importa, ainda, referir que o Diretor da Rádio Hertz, João Franco, perante o impedimento em causa, prontificou-se, três horas antes, a endereçar, por mail, o citado pedido mas o referido dirigente alegou que esse documento teria de “dar entrada” com 48 horas de antecedência. De destacar que até hoje nenhum clube exigiu a referida autorização e sempre foi permitido o relato.