GOLEGÃ – Quinta da Cholda partilha boas práticas de gestão da água...

GOLEGÃ – Quinta da Cholda partilha boas práticas de gestão da água na cultura do milho em dia de campo do projeto aQuacer

“O projeto aQuacer está muito integrado na nossa lógica de poupança de água, há muitos anos que temos o desígnio de perceber até que ponto podemos produzir mais com menos água”, explica João Coimbra, administrador da Quinta da Cholda, que foi o anfitrião da 4ª ação do projeto aQuacer- Eficiência do Uso da Água na Fileira dos Cereais, realizada a 29 de junho, na Azinhaga (Golegã). Conhecida pela extrema eficiência na gestão dos recursos, a Quinta da Cholda considera que ser eficiente é reduzir o desperdício, ou seja, usar a água mínima necessária para atingir produções de milho elevadas. Em 23 anos (entre 1988 e 2011), esta quinta modelo aumentou a produtividade da água em 335% e prossegue no caminho da eficiência, acrescentando cada vez mais tecnologia à tomada de decisão. Mede em contínuo o clima (com estações meteorológicas), para perceber as necessidades das plantas, bem como o consumo da água e da energia (com caudalmetros, contadores de energia, sondas de monitorização da humidade no solo), usando também imagens de satélite e por drone para aferir o estado vegetativo das plantas. “Temos que verificar se a água que colocamos é na dose certa e se está na zona das raízes do milho e no final do ciclo medimos as produções para perceber até que ponto as poupanças estão ou não a retirar produtividade à cultura. Cada vez mais estamos interessados em reduzir os consumos de água até ao limite em que as produções comecem a baixar. Cada litro de água tem de produzir mais e de forma mais eficiente e sustentável, com menos emissões de carbono”, explica o administrador da Quinta da Cholda. A gestão eficiente da água é fundamental no atual cenário de alterações climáticas e Portugal é um dos países mais vulneráveis às mudanças do clima. “Para Portugal Continental projeta-se um aumento médio da temperatura de 2ºC a 5ºC, até final do século, consoante os cenários mais otimista ou mais pessimista, e perdas de precipitação acentuadas, que podem ir até aos 10% a 15% nas regiões Norte e Centro, e até aos 30% na região Sul”, explica Vanda Pires, técnica da divisão de clima e alterações climáticas do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), entidade parceira do aQuacer. Para os produtores de milho este é um projeto de enorme relevância, tal como explica o presidente da ANPROMIS, Jorge Neves: “A ANPROMIS pretende com este projeto ajudar a capacitar os produtores de milho para as boas práticas de utilização da água no regadio. Escolhemos a Quinta da Cholda para a primeira ação de capacitação porque é uma exploração modelo na cultura do milho em Portugal e até a nível europeu”. O projeto aQuacer é uma iniciativa conjunta da ANPROMIS – Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo, da ANPOC – Associação Nacional de Produtores de Cereais e do COTARROZ – Centro Operativo e Tecnológico do Arroz, juntamente com o COTR- Centro Operativo e Tecnológico do Regadio e o IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Estas entidades uniram-se para responder ao repto da Fundação Calouste Gulbenkian de valorização da água no setor agroalimentar, no âmbito da qual foi aprovada a candidatura ao concurso de apoio à demonstração na gestão da água da rega através do projeto aQuacer.