ECONOMIA – Dicas para compreender e empreender no mercado Português

ECONOMIA – Dicas para compreender e empreender no mercado Português

A combinação entre a melhoria das condições económicas e um crescimento cada vez maior do turismo, trouxe a Portugal o tão merecido aumento nos preços e valorização do mercado imobiliário. As estatísticas mostram que nos anos de 2017 e 2018 os valores dos imóveis aumentaram em 3,03% e 5,39%, antecipando um futuro promissor para o mercado imobiliário português.
Após quase dez anos de crise financeira, consequência dos acontecimentos de 2008, foram vendidas, só no ano de 2017, mais de 150 mil casas. O interesse em comprar e investir neste mercado cada vez mais apetecível não se limita à população local, mas também se incluem os estrangeiros, os quais estão decididos a vir para ficar! Só em 2017, pessoas de mais de 50 nacionalidades compraram casas em Lisboa!
QUEM E POR QUE ESTÃO A VIR?
De entre os investidores provenientes do exterior, a procura de propriedades por franceses, brasileiros e ingleses está cada vez maior, atraídos pela cultura, culinária e paisagens, mas principalmente pelos programas governamentais que instituem um tratamento fiscal muito atrativo para os residentes não locais.
Este tratamento fiscal consiste em garantir, para os que não tiverem sido residentes fiscais em Portugal nos 5 anos anteriores, uma isenção do pagamento de impostos sobre o rendimento durante 10 anos. Tal vantagem traz um alívio no bolso dos estrangeiros, principalmente aqueles que pretendem investir no mercado imobiliário, pois equilibra-se com o aumento na renda habitacional de 9.3% neste último ano, fixando-se em 4.80 euros por metro quadrado.
O QUE FAZER PARA ENTRAR NESTE MERCADO
Saber onde, como e quando comprar são a base na aquisição de um imóvel. É preciso ter um advogado que o aconselhe durante o processo, entender os meandros do mercado, ter em mãos os documentos corretos e ter na ponta da língua dados e estatísticas referentes aos valores atuais para não ser enganado por esquemas traiçoeiros. Em suma, é importante basear-se em pesquisas bem fundamentadas antes de assinar o tão desejado contrato de compra e venda.
Antes de mais nada, obviamente, é preciso obterem-se os fundos para realizar esta transação, pois para colher os frutos deste mercado em ascendência, o investimento inicial será consideravelmente caro (em Lisboa, por exemplo, os preços de habitações familiares por metro quadrado rondam os 2.877 euros, enquanto que Cascais e Porto chegam aos 2.167 euros e 1.525 euros, respetivamente). Sendo assim, caso não tenha as suas poupanças disponíveis para serem utilizadas, uma das opções é contratar um crédito de habitação.
Este tipo de processo burocrático parece quase sempre difícil e infinito, além de nunca se ter certeza de qual é a melhor opção de crédito. No entanto, obtendo os documentos necessários e seguindo os prazos e passos corretamente (i.e., pesquisa, simulação, avaliação e escritura), comprar uma casa por meio de financiamento pode mostrar-se mais fácil do que se imaginava.
Finalmente, com as quantias necessárias em mãos e um planeamento financeiro estabelecido, basta escolher qual cidade e distrito no qual pretende comprar e investir. Tendo por base fatores como a segurança, qualidade do ar, atrações turísticas e etc., Portugal está cheio de boas opções para o empreendedorismo imobiliário.