ECONOMIA – Casinos portugueses registam sucesso em 2018

ECONOMIA – Casinos portugueses registam sucesso em 2018

Os casinos a operar em Portugal registaram um ligeiro aumento no desempenho em 2018, em relação ao ano anterior. O crescimento positivo das receitas de casino registado no primeiro semestre de 2018, manteve-se até ao final do ano. Existiu um aumento de receita de 318 milhões de euros, o que representa um crescimento de 3,1% em comparação com 2017.
O Grupo Estoril Sol, responsável pelo Casino de Lisboa, do Estoril e da Póvoa de Varzim, continua a dominar o mercado, tendo reportado um volume de negócio no ano de 2018 de cerca de 196.8 milhões de euros. Estes resultados representam um aumento residual de 2,4% ao ano.
Também o grupo Solverde, responsável pelo Casino do Algarve, de Chaves e de Espinho, registou um resultado positivo no ano que passou. Apesar de não ter sido o grupo que conseguiu gerar a receita mais alta, reportou o aumento mais elevado de 4,8% em relação aos números do ano passado. Este crescimento traduziu-se num valor de receita de 93,6 milhões em 2018.
Já o Grupo Pestana não teve resultados tão satisfatórios. O grupo responsável pelo Pestana Casino Park no Funchal viu a sua receita cair 3,1% para um valor total de 8,4 milhões de euros.
No entanto, à exceção do Grupo Pestana, todos os operadores de casino portugueses registaram um aumento na receita em 2018, em relação ao ano de 2017.
No que toca aos jogos de casino que mais receitas geraram, o destaque vai para as slot machines. As máquinas de slot continuam a ser dos jogos de casino mais populares e mais procurados pelos apostadores. Em 2018, este setor registou um aumento de 3,4%, o que se traduziu numa receita de 263.9 milhões de euros.
Este crescimento tem uma relevância ainda maior se tivermos em consideração a crescente competição existente no mercado do jogo português. O crescimento dos casinos online em Portugal, a crescente popularidade das raspadinhas e lotarias como o Euromilhões, representam uma ameaça séria aos casinos físicos. No entanto, como concluímos, não se traduziu num decréscimo nas receitas destes.
Mesmo assim, de acordo com o presidente do grupo Solverde, Manuel Violas, 2018 foi considerado apenas um ano razoável para a indústria.
Em relação aos jogos de fortuna e azar online, a receita bruta dos mesmos no segundo trimestre de 2018 aumentou em 12 milhões de euros para 37,3 milhões ao ano.
O mercado do casino online, tem registado um grande crescimento em Portugal. Em 2018, entrou um novo operador no mercado regulado, o casino Luckia, tendo sido emitida a setembro de 2018 a licença para operar jogos de fortuna ou azar pelo SRIJ, entidade responsável por regular a exploração de jogos e apostas online.
Para além da entrada de novos operadores, existem outros fatores que têm contribuído para o crescimento da popularidade do jogo online. A facilidade que os jogadores têm em apostar a qualquer hora e em qualquer lugar através das plataformas online é uma das vantagens apresentadas. Para além disso, os casinos online disponibilizam frequentemente promoções e bónus de casino, aliciando assim novos jogadores a registarem-se e tentarem a sua sorte. Exemplo disso são as deliciosas promoções diárias da bet.pt, um dos primeiros casinos online a receber licença para disponibilizar jogos de fortuna e azar em Portugal.
Para não ficarem para trás, também os grupos responsáveis pelos principais casinos em Portugal começaram a entrar no mercado online. O grupo Estoril Sol criou a marca ESC Online e o grupo Solverde é responsável pela plataforma de casino online com o mesmo nome. No entanto, sendo um negócio ainda recente, ainda não se registou um impacto das plataformas online nas receitas destes operadores. Mário Assis Ferreira, chairman do grupo Estoril Sol, alerta também para o facto de ainda existirem casinos ilegais a operar online em Portugal: “Em Portugal, 66% das apostas são em sites clandestinos e só 34% em legais”.