ECONOMIA – A Importância dos dispositivos móveis na Sociedade

ECONOMIA – A Importância dos dispositivos móveis na Sociedade

A importância do telemóvel na sociedade moderna expressa-se de diferentes formas. Está em causa, principalmente, a função comunicativa interpessoal mas também uma forma de se perceber “como vai o mundo” ou, numa outra dimensão, a actualidade que nos rodeia. Assim acontece, por exemplo, com o site da Rádio Hertz onde, desde o início de 2019, há registo para 83% de visitas pela via do telemóvel/smartphone, em claro destaque, então, sobre quem acede aos nossos conteúdos pela via mais “tradicional”, ou seja, pelo computador.
Outro exemplo é Roleta.pt site onde quase 70% dos visitantes acendem através de dispositivos móveis, um número que até alguns anos atrás não parecia possível.

Desde que o chamado “celular” foi inventado, nos Estados Unidos, em 1947, que o Mundo sofreu uma transformação perante a dinâmica das marcas que não quiseram perder este “comboio” tecnológico. Desde a chamada versão analógica, passando pelo patamar digital, já no início da década de noventa, a evolução destes “aparelhos” tem sido tremenda. Aquilo que na altura servia “apenas” para realizar chamadas – e em Portugal com dificuldades de cobertura de rede fora dos grandes centros urbanos – hoje permite o envio/recepção de mensagens escritas, por áudio ou imagem, a captura de fotografias e edição de vídeos – por vezes com melhor qualidade do que as máquinas fotográficas ou câmaras de filmar – sendo que os sistemas operativos também foram evoluindo e permitindo a aplicação de tecnologia cada vez mais desenvolvida.

É o caso do iPhone, lançado em 2007 pela Apple, que fazia a diferença pela ausência de teclados fixos, ou seja, essa função passou a ser gerada com software próprio, uma “novidade” que provocou uma preferência significativa por este género de segmento, na altura ainda não acessível a todas as bolsas. Hoje, o mercado está mais “largo” e aberto a diversas marcas, o que faz com que o acesso aos equipamentos seja uma mera “formalidade”.

Se dúvidas existiam há algumas dezenas de anos, em 2019 está em causa uma verdade… indesmentível: os telemóveis estão para ficar e serão poucos aqueles que ainda resistem a este meio de comunicação.