CARTAXO – Medir e pesar são palavras de ordem no Museu Rural...

CARTAXO – Medir e pesar são palavras de ordem no Museu Rural e do Vinho

O Museu Rural e do Vinho do Cartaxo assinala o Dia Internacional do Museus, com uma exposição temporária que recorda O Aferidor de Pesos e Medidas, que inaugurou no dia 16 de maio e vai estar patente ao público até ao próximo dia 20 de junho. A exposição mostra peças que fizeram parte da vida diária de muitos estabelecimentos comerciais no Cartaxo, em especial, na segunda metade do século XX – da taberna ao relojoeiro, passando pela farmácia e pela mercearia. Balanças de formatos e tamanhos muito diferentes, adequadas aos materiais que tinham de pesar, copos de vidro para vender vinho ao balcão ou recipientes de madeira para medir cereais, juntam-se aos livros de registo do trabalho do aferidor e às fichas que mostram o inventário de instrumentos que a oficina era obrigada a possuir. Pedro Magalhães Ribeiro, presidente da Câmara Municipal, que esteve presente na inauguração da exposição, frisou a importância do Museu, não só pelo seu papel na “preservação de um espólio que é riquíssimo e está disponível na coleção permanente, mas também pelo trabalho técnico de recuperação de peças e documentos que, de outro modo, se perderiam”, referindo-se às peças expostas que são propriedade do município ou que foram doadas por particulares – como a balança de pratos suspensos, doada por Fernando Dias, o maçarico de Maria Madalena Silva Alves e os copos de taberna que chegaram ao Museu, doados por António Gargalo de Sousa –, a quem agradeceu “a confiança e reconhecimento, que o Museu continuará a honrar com o mesmo cuidado que tem feito ao longo dos seus 30 anos de vida”. “Estes objetos estão num Museu, mas contam histórias e falam sobre pessoas concretas, como o primeiro aferidor da Câmara Municipal, José Maria dos Santos Costa, ou o último, António Almeida”, afirmou o autarca para quem “a exposição deve ser visitada por pessoas de todas as idades, uns terão ainda na memória os tempos em que o rigor era medido pelo aferidor e este era uma espécie de garante da defesa do consumidor, os mais novos aprenderão ao vivo conceitos de que falam na escola, como os pesos e as medidas, percebendo melhor para que servem na vida real”.