ALCANENA/CARTAXO – Criar tempo e espaço para a participação cultural é a...

ALCANENA/CARTAXO – Criar tempo e espaço para a participação cultural é a aposta da Materiais Diversos

A Materiais Diversos consolida o programa regular contínuo nos concelhos de Alcanena e Cartaxo, fortalece parcerias e valoriza as comunidades locais através de uma programação que apoia a criação artística e desenvolve atividades formativas, de encontro e de reflexão. Ao longo de 2022, a Materiais Diversos mantém o princípio de potenciar espaços de partilha a partir de encontros locais, fomentando parcerias e estimulando a participação cívica e cultural. Nessa linha, a Materiais Diversos mantém um vasto programa de desenvolvimento de públicos e apoio à criação, nos municípios de Alcanena e Cartaxo, como forma de valorizar as artes enquanto veículo de pensamento sobre o mundo e sobre as questões da atualidade.

No concelho de Alcanena

As Oficinas da Transição, desenvolvidas por Marta Tomé e Raquel Senhorinho, da escola O Corpo da Dança, orientadas para o 2º e 3º ciclos, decorrem até maio com o objetivo de aprofundar competências sociais e culturais, abrindo oportunidades para os jovens se aproximarem da prática artística e da cidadania ativa. A artista Susana Domingos Gaspar orienta oficinas nas Escolas EB1 de Malhou e de Vila Moreira, inseridas na pesquisa para a sua nova criação As Amigas da Gaspar, que se foca na transmissão e preservação de valores como empatia e solidariedade. O espetáculo, que será apresentado no Cine-teatro São Pedro, surge a partir da série “Os Amigos do Gaspar” e da memória de um discurso político para crianças, desenvolvido por João Paulo Seara Cardoso, nos anos 80. No âmbito do apoio à criação, a coreógrafa Cristina Planas Leitão estará em residência com o projeto O Sistema, e o coletivo auéééu com o projeto S/título #8, com Fernando Roussado, ambos no Cine-teatro São Pedro, em setembro, com apresentações informais no final das residências. O Cine-teatro São Pedro acolhe ainda, em maio, o espetáculo O Estado do Mundo (Quando Acordas), da companhia Formiga Atómica, uma coprodução da Materiais Diversos, com tradução para Língua Gestual Portuguesa. O Estado do Mundo (Quando Acordas) explora a relação de causa-efeito entre pequenos gestos e grandes consequências. Através de utensílios domésticos e bens essenciais do dia-a-dia de todos nós – eles próprios responsáveis pelas alterações climáticas – o espetáculo sublinha uma ideia de paradoxo: entre aquilo que defendemos a respeito deste tema e a nossa incapacidade de abdicar de comportamentos do quotidiano. Os Encontros que Contam, um ciclo de sessões que a Materiais Diversos organiza como forma de conhecer e valorizar o património da tradição oral, volta às freguesias de Covão do Coelho, Gouxaria e Espinheiro, em junho e julho. A atividade estabelece relações entre narração oral e memórias da vivência cultural destas comunidades, em colaboração com António Fontinha, os Ranchos Folclóricos de Gouxaria e de Covão do Coelho e a Casa do Povo do Espinheiro. Em junho regressa Na Prática, a escola de verão que a Materiais Diversos organiza com o Centro de Estudos de Teatro, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que é novamente acolhida pelo Centro Ciência Viva do Alviela. Trata-se de um momento de partilha dedicado a estudantes, artistas e investigadores, orientado artistas e investigadores convidados e que nesta edição se focará nas práticas de criação coletivas. O projeto Ver no Escuro, com quatro sessões ao longo do ano, centra-se em Alcanena, regressando ao seu formato inicial, para construir uma comunidade de espectadores da região que se juntam e deslocam para ver e conversar sobre espetáculos apresentados no Cine-Teatro São Pedro. Em cada sessão, como habitualmente, os participantes podem conversar com artistas e convidados após os espetáculos.

No concelho do Cartaxo

No concelho do Cartaxo, dando continuidade ao trabalho desenvolvido no âmbito do projeto Paraíso Bruto, que envolveu jovens entre os 14 e os 25 anos, a Materiais Diversos responde a algumas das suas expectativas proporcionando dois momentos de formação com artistas em áreas do seu interesse, nomeadamente street art e música. O apoio a artistas para desenvolvimento de criações também terá lugar neste território, através de residências artísticas no Centro Cultural do Cartaxo. Sofia Dinger & Miguel Bonneville estarão em residência em abril para desenvolver O Primeiro Sol, fechando a residência com uma apresentação informal. Lígia Soares estará em residência em novembro com o projeto A Minha Vitória como Ginasta de Alta Competição e fará uma apresentação informal. O acesso à participação cultural é um direito de todas as pessoas e, tendo esse princípio, a Materiais Diversos desenvolve também o projeto Materiais Acessíveis com uma programação e uma comunicação cada vez mais acessíveis. A programação acessível da Materiais Diversos inclui oficinas, espetáculos, debates e outras atividades. Em paralelo, consolida uma rede local de parceiros que permite informar e mobilizar as pessoas com deficiência e S/surdos para a participação cultural.

Conversar entre territórios

Transversal aos dois territórios é o projeto O Tempo das Cerejas, um espaço de reflexão sobre temas contemporâneos, que têm vindo a consolidar-se em diferentes formatos. Em 2020, artistas e pensadores partilharam reflexões em formato de ensaios escritos e visuais. Em 2021, o projeto passou para o formato de podcast e em 2022 materializa-se em conversas públicas, em espaços culturais de Alcanena e do Cartaxo. Estas conversas serão gravadas em vídeo e partilhadas online. A última sessão é dedicada ao livro de Ana Pais “Quem tem medo das emoções?”, e é a partir do título “Quem tem medo…?” que se lançam perguntas para cada uma das conversas. Quem tem medo das diferenças?, Quem tem medo das mudanças?, Quem tem medo de coletivos? e Quem tem medo das emoções? são as várias declinações desta pergunta que interpelam a debater temas fracturantes nos dias de hoje, não só a nível social e político, mas também do ponto de vista da relação entre ação e discurso. Simultaneamente, estas temáticas refletem vários dos projetos do Programa Regular da Materiais Diversos, desde oficinas com jovens às criações de artistas que a estrutura apoia em 2022.