ACTUALIDADE – Tomarenses na Festa dos Andores Floridos ficam honrados com a...

ACTUALIDADE – Tomarenses na Festa dos Andores Floridos ficam honrados com a inserção em pétalas do desenho da fachada do Convento de Cristo

Diz-se que a fé move montanhas e a vila de Alvarães, em Viana do Castelo, parece ser prova disso. Todos os anos, a comunidade une-se para criar andores únicos por serem feitos com a colagem de pétalas de flores naturais. Durante muitos dias e noites, as pessoas dos diferentes lugares da freguesia são as responsáveis por criar os 11 andores floridos que este fim de semana desfilaram nas Festas de Santa Cruz, uma das principais romarias de Viana do Castelo. Na tarde deste domingo, a procissão foi um dos pontos altos da programação da festa. Dois grupos organizados de tomarenses em excursão visitaram estas festas e encontraram-se por casualidade e ao visitarem os andores expostos na Igreja matriz, antes da saída da procissão, saltava à vista um magnífico desenho de pétalas do convento de Cristo. Qual a razão já que os motivos são figuras históricas e religiosas, monumentos do distrito e figuras como os papas. Será que alguma jovem de Alvarães cursou no Politécnico e quis referir este nosso monumento Património da Unesco? Nada disso! Na brochura da festa, podia-se ler que a vila de Alvarães teve uma Comenda da Ordem Militar de Cristo, uma das 20 comendas da Ordem dos Cavaleiros de Cristo existentes na dilatada comarca de Barcelos e entre os deveres dos residentes, conforme nos diz o “Tombo do Ano de 1681”, tinham de pagar direitos para as obras e sustento da Fábrica do Convento da Ordem de Cristo de Tomar, sede da mesa ordem religiosa e militar. Voltando a esta festa única no país que junta uns milhares de pessoas, ao longo do percurso da procissão pode-se ver o capricho que a população de Alvarães coloca em cada andor que, em média, pesa cerca de 500 quilos. Este ano, o recurso a sementes foi uma constante para fazer os desenhos dos quadros que ornamentam os andores. Mas são as pétalas, coladas uma a uma através de uma cola feita de água e farinha, que chamam mais a atenção pelas cores e formatos que dão aos andores. A freguesia de Alvarães, conhecida pelos andores floridos, quer ser reconhecida como Vila das Flores de Portugal, e manda a tradição da festa que os andores e as cruzes sejam decorados exclusivamente com plantas naturais. A colagem das pétalas, a conjugação das cores, o brilhantismo de cada lugar que tenta fazer do seu o melhor andor, com muito bairrismo à mistura, são motivos que tornam esta festividade única. Esta arte única remonta a 1946. António Freitas