ACTUALIDADE – NERSANT quer mais negócios entre o Ribatejo e a província...

ACTUALIDADE – NERSANT quer mais negócios entre o Ribatejo e a província da Zambézia

Uma delegação de empresários liderados pela NERSANT – Associação Empresarial da Região de Santarém, está neste momento em Moçambique em busca de oportunidades de negócio entre os dois países. Em Quelimane, a delegação tem sido acompanhada pelo presidente da ACIZA – Associação Comercial e Industrial da Zambézia, Inusso Ismail, e ainda pelo Presidente do Conselho Municipal de Quelimane, Manuel de Araújo, que se têm mostrado incansáveis no cumprimento deste bjectivo. A primeira actividade oficial do programa do Encontro de Negócios da Região Centro de Moçambique, aconteceu no dia 13, no auditório das finanças locais, onde uma multidão de empresários e entidades oficiais desta província, esperaram a delegação da NERSANT. O Presidente do Conselho Municipal de Quelimane, Manuel de Araújo, iniciou a sessão de boas-vindas aos empresários portuguesas, tendo referido que “temos trabalhado no sentido de procurar as potencialidades deste território, bem como promovê-las, no sentido de que as mesmas se transformem em efetivas oportunidades de negócio. E é isto que vamos fazer nesta sessão”. Inusso Ismail, Presidente da ACIZA, iniciou o seu discurso, começando por dizer que “este é um marco importante para a província da Zambézia, e esperamos conseguir, através da Bolsa de Negócios, uma plataforma de comunicação e identificar oportunidades de negócio que poderão resultar em parcerias e meios de atracção de mais investidores portugueses na província da Zambézia.” Da parte de Santarém, o representante da delegação, António Campos, Presidente da Comissão Executiva da NERSANT, fez uma breve descrição da região do Ribatejo e das suas oportunidades para as empresas moçambicanas. As oportunidades de negócio da província da Zambézia foram de seguidas dadas a conhecer aos empresários portugueses pela voz de Abdul Carimo, nomeadamente o corredor de Macuse, projecto que está na calha na Zambézia e que prevê a construção de uma linha de caminho de ferro e de dois portos, sendo um para o carvão, o que significará obrigatoriamente melhores infraestruturas para as relações comerciais, mas também uma oportunidade de negócio na área da construção dos meios abordados. Salimo Abdula, Presidente do Conselho Empresarial da CPLP, moçambicano natural de Quelimane, também fez questão dar as boas-vindas à delegação portuguesa, tendo aproveitado a ocasião para revelar aos empresários portugueses alguns dos investimentos que tem feito, enquanto empresário, nesta cidade, nomeadamente na área da produção agroindustrial, na área da requalificação, onde tem três obras previstas, num hotel, num supermercado, e num cinema e ainda na área da construção, neste caso de uma plataforma logística e cidade de apoio na zona de Zalala, perto de Quelimane. A Secretária Permanente da Província da Zambézia, fez de seguida a apresentação das potencialidades e oportunidades de investimento desta província, seguindo-se a apresentação do GAZEDA – Gabinete de Apoio às Zonas Económicas Especiais. O Governador da Província de Zambézia, Abdul Razak Noormamad encerrou a sessão, dando a conhecer um dado importante às empresas portuguesas: “a Zambézia é a segunda província mais populosa do país. 19 por cento dos habitantes de Moçambique estão nesta província, o que significa que há oportunidades para as empresas portuguesas”, afirmou o Governador, resumindo de seguida algumas das oportunidades que já tinham sido divulgadas anteriormente, com especial destaque para a área do agronegócio. “Queremos aproveitar as vantagens competitivas da Zambézia. Por isso, o Governo da província assumiu o compromisso de capitalizar as oportunidades existentes neste território”, divulgou Abdul Razak Noormamad. De seguida, toda a comitiva seguiu para uma mostra de produtos da província da Zambézia, seguindo-se inauguração oficial do espaço da Bolsa de Negócios, que decorrer nos dias 13 e 14 de Abril, nas instalações do Banco de Moçambique, com a realização de 300 reuniões entre empresários portugueses e moçambicanos. A presença na Bolsa de Negócios foi intercalada com a visita a empresas, tendo sido visitadas as empresas Incala, na área da fabricação de produtos em plástico, e a MC Arquitetos, duas empresas contempladas com o prémio de “Melhor PME Moçambicana”, bem como uma fábrica de arroz e ainda um instituto de formação profissional. O dia 15 de Abril foi dedicado exclusivamente à visita de empresas e à continuação de contactos iniciados durante a Bolsa de Negócios. Dia 16, o Encontro de Negócios inicia na cidade da Beira.