ACTUALIDADE – Deputado Duarte Marques (PSD) apela a maior esforço na atração...

ACTUALIDADE – Deputado Duarte Marques (PSD) apela a maior esforço na atração de investimento estrangeiro para o interior do país

Na audição com o Ministro dos Negócios Estrangeiros na Comissão de Economia do Parlamento, Duarte Marques, deputado eleito por Santarém pelo PSD, apelou a um maior esforço do Governo no sentido de levar para os concelhos do interior algum do investimento direto estrangeiro que tem vindo ou poderá vir para Portugal. Duarte Marques lembrou que “uma pequena empresa de 20 ou 30 trabalhadores pode fazer a diferença em muitos concelhos do país” e destacou que “se sabemos que as empresas estrangeiras preferem normalmente concentrar-se em Lisboa, é necessário um esforço maior do Governo e da AICEP para demonstrar que se no interior há mais dificuldades também existem maiores oportunidades” pois, prosseguiu o Deputado do PSD “o custo de vida é mais barato, as escolas têm normalmente melhor qualidade, é mais seguro e até o clima é mais saudável”.

Nesta mesma audição o Deputado do PSD criticou a falta de diplomacia económica pois este Governo “interrompeu um ciclo com uma nova estratégia. A pandemia não serve de desculpa, isto é um processo que vem desde 2015. Mas sobretudo agora que os empresários mais precisam, o Governo não faz esse esforço ao mais alto nível.” “Faltam missões empresariais de alto nível, a acompanhar visitas do Primeiro-Ministro, do Presidente da República, pois abrir mercados para empresas portuguesas demora anos, é um trabalho de regime. Não pode ser interrompido e os senhores interromperam-no”. “o Ministro Santos Silva optou pela diplomacia clássica e matou a diplomacia económica que tão importante foi para o país. O Senhor Ministro ou o Sec Estado vão me responder que as exportações até aumentaram e o Investimento Direto Estrangeiro também. Mas esse é um ciclo que vinha de trás. E como estaria a nossa economia se não tivessem congelado a diplomacia económica?”. A terminar, Duarte Marques lembrou a falta de apoios às empresas na comparação com outros países e as dificuldades de capitalização cuja solução o Governo só agora apresenta, com muito atraso.