ABRANTES – Reorganização dos cuidados primários de saúde

ABRANTES – Reorganização dos cuidados primários de saúde

O Concelho de Abrantes inverteu o défice de cobertura de médicos de família, apresentando atualmente uma taxa de 8% de utentes sem acesso a esses profissionais, em contra­ponto aos 43% de utentes sem médico de família verificados no ano de 2013. Para esta nova realidade, foi decisivo o contínuo (desde 2013) investimento da Câmara de Abrantes (CMA), na ordem dos 2 Milhões de Euros (com comparticipação de fundos comunitários na ordem do 1ME e 300 mil euros), permitindo criar condições para que um maior número de cidadãos do concelho pudesse ter acesso a cuidados primários de saúde. Não sendo até agora uma competência das Câmaras (é da administração central), Abrantes assumiu, politicamente, um conjunto de obras, incentivos e equipamentos na área da saúde, destacando-se a construção das Unidades de Saúde Familiar (USF) de Abrantes e do Rossio, as obras de melhoramento na extensão de saúde do Carvalhal, o incentivo financeiro à fixação de médicos de família, a aquisição de veículos para apoio aos cuidados de enfermagem domiciliário e as obras de adaptação do 1º andar da antiga Casa de Saúde, para acolhimento da Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC). “Servir melhor as pessoas foi o princípio basilar do investimento municipal na área da saúde”, salientou Maria do Céu Albuquerque. “Não é o modelo perfeito e há muito ainda a melhorar ”, rematou a Presidente da Câmara, explicando que, entre nada fazer para contrariar o fenómeno da falta de médicos de família e equipas de enfermagem, a Câmara de Abrantes, mesmo não sendo da sua competência, tomou a decisão de “fazer parte da solução”, optando por fazer um investimento com duplo objetivo: oferecer condições de trabalho aos profissionais, atraindo-os ou mantendo-os no Concelho e, “para servir melhor os utentes”. www.cm-abrantes.pt