ABRANTES – Orçamento Participativo: Plataforma de Gestão Associativa já está disponível

ABRANTES – Orçamento Participativo: Plataforma de Gestão Associativa já está disponível

A Plataforma de gestão associativa de Abrantes (PGGA) que se assume como um espaço privilegiado para a divulgação das iniciativas do movimento associativo, foi apresentado no dia 30 de junho, no Parque Tejo, durante a realização de um fórum associativo, promovido pelo Serviço de Associativismo, da Câmara Municipal de Abrantes. A PGGA foi um projeto apresentado pelo cidadão Filipe Rodrigues, no âmbito do Orçamento Participativo, tendo sido uma das propostas mais votadas na edição de 2016. É uma ferramenta digital – criada pela empresa de Abrantes, Single Code -, agregadora das atividades das associações e clubes. Pretende melhorar a relação com os sócios mas também entre as associações, através da partilha de experiências. É igualmente um espaço de incentivo à participação dos cidadãos e à promoção do diálogo institucional com as instituições e o tecido empresarial. Disponível em www.pgaa.pt, tem uma área para notícias, outra para eventos, sendo que os conteúdos são assumidos pelas associações. Disponibiliza também legislação útil, campo de pesquisa e um banco de voluntariado. No futuro, pretende-se criar uma aplicação para smartphone.

A apresentação da PGGA esteve a cargo de Luís Valente, Chefe da Divisão de Desporto, Juventude e Associativismo da CMA que apelou à adesão das associações à plataforma, havendo da parte do serviço toda a disponibilidade para auxiliar os dirigentes na operacionalização da adesão. Já o autor do projeto, Filipe Rodrigues, mostrou-se muito satisfeito com a concretização da plataforma, que intitulou de “ecossistema associativo”, que ficará ao serviço das 210 associações registadas no concelho de Abrantes.

Presente esteve também Augusto Figueiredo, presidente da Federação Distrital de Santarém das Coletividades de Cultura, Recreio e Desporto, que felicitou o autor da proposta e a CMA pelo projeto de gestão partilhada, tendo salientado que” com a aldeia global, acabaram as capelinhas” e enaltecendo o conceito de partilha. Manuel Jorge Valamatos, Presidente da CMA, abriu e encerrou a sessão com palavras de estímulo às associações concelhias: ” O associativismo democratiza o território e estamos muito empenhados em continuar a investir no tecido associativo”, salientou.