ABRANTES – Autárquicas 2021. Bloco de Esquerda apresentou candidatos sob olhar atento...

ABRANTES – Autárquicas 2021. Bloco de Esquerda apresentou candidatos sob olhar atento de Catarina Martins

O Bloco de Esquerda apresentou os diferentes candidatos ao concelho de Abrantes (Câmara, Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia), numa sessão que contou com a presença de Catarina Martins, coordenadora nacional do BE. Eis a lista definitiva:

Candidatos/a

Câmara Municipal – Armindo Silveira, Técnico de Instalações Elétricas;

Assembleia Municipal – Pedro Grave, operador de central térmica;

UF Abrantes e Alferrarede – Marisa Grácio, operária fabril;

UF Alvega e Concavada – Eduardo Jorge, assistente social;

UF S. Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo – Vasco Catroga-Técnico de Manutenção

Tramagal – João Carlos Pio, soldador de primeira

Mandatário – Carlos Dias, comerciante

Eis a intervenção de Armindo Silveira: «Mudança já! Passaram cerca de três décadas de governação autárquica socialista e mais 4 anos se perderam consequência de uma gestão que não resolveu mas, pelo contrário, agravou a vida de todos nós. O concelho continua a perder população, a deficiente assistência de cuidados primários de saúde aumentou assimetrias; não há política de habitação que fixe pessoas; os apoios às empresas são ineficientes e os incêndios são apenas uma catástrofe anunciada em consequência de uma gestão deficiente do espaço rural. A degradação do património edificado municipal é visível tornando-se um perigo para a segurança e saúde pública e um desincentivo a quem nos visita e se quer fixar. Exemplos não faltam: Cine-Teatro de São Pedro, o antigo Mercado Diário, a antiga Galeria Municipal, a casa onde nasceu a única primeira ministro de Portugal, Engenheira Maria de Lourdes Pintasilgo, a Ermida de Santo Amaro… O executivo PS não tem política de reabilitação para os diversos núcleos urbanos, nem de preservação do património arquitetónico e identitário do centro histórico de Abrantes. Contra tudo e todos, esta governação, pretende gastar milhões na reconversão do edifício do antigo Mercado Diário em pavilhão multiusos destruindo o património coletivo material e imaterial, a identidade, o esforço e memória de gerações passadas. Ao nível da ocupação do solo, especialmente por espécies arbóreas, não se conhece o posicionamento do executivo PS para o nosso território numa altura crucial em que o PDM de Abrantes está na fase final de revisão. Não é publico o Plano Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas do Concelho de Abrantes; Está na hora da mudança pois esta terra que tem tudo para dar certo mas está num declínio que urge estancar. Ao longo dos anos, a governação PS revelou total inabilidade para junto do poder central evitar a saída de serviços públicos essenciais de diversas freguesias.

As pessoas perderam a esperança no poder local e deixam-se ficar passivamente pois já não acreditam em quem tem o dever de nos guiar.

Está na hora da mudança!

Trilhar novas soluções é urgente pois está mais que provado que esta governação é ineficaz e inoperante. Sem estratégia e visão para uma terra que tem tudo para dar certo.

Estamos no centro de Portugal, estamos no coração do país, temos uma autoestrada à porta, 2 ramais ferroviários, o Tejo e o Zezere, dois dos mais importantes rios de Portugal e um território imenso que chama por nós.

É urgente criar razões para atrair pessoas e investidores gerando emprego e trazendo vida a uma cidade fantasma.

Mas para isso é preciso mudar.

Connosco todas as pessoas contam. Iremos trabalhar tal como fizemos ao longo destes quatro anos defendendo o desenvolvimento sustentável do nosso concelho.

01-Memória colectiva e o património de todos
Connosco a memória colectiva e o património de todos nós será valorizado e preservado para as gerações vindouras.

Este é um dos pontos da nossa estratégia de desenvolvimento pois ela irá potenciar o turismo cultural que aliado ao turismo activo e de natureza colocarão Abrantes novamente no mapa.

02-Importância da florestas, dos ecossistemas e da sustentabilidade da vida

Ao nível da floresta reconhecemos a importância da produção lenhosa e não lenhosa.
Reconhecemos a necessidade da remuneração dos serviços de ecossistemas e a urgência da regeneração, da protecção da natureza e da sustentabilidade da vida.

Queremos valorizar os espaços públicos com um programa de plantação de arvores com um duplo objetivo: a fruição dos espaços e a mitigação das alterações climáticas.
Queremos conceber um plano ambicioso de aquisição de terrenos para preservar, regenerar e florestar para potencia a biodiversidade e tornar a floresta mais resiliente.

Queremos ser um Concelho referência ao nível da sustentabilidade ambiental e da vida, da produção e divulgação do conhecimento que permita alcançar esse objetivo a médio prazo.

03-Prestação de cuidados de saúde de proximidade

Na Saúde tudo faremos por criar soluções de proximidade. Com uma população envelhecida e baixas reformas, poucos transportes públicos, trajetos incompatíveis os horários desfasados, afastam as pessoas do regresso às aldeias não fixando população. Terão que ser os serviços a ir ao encontro das pessoas.

04-Educação-Requalificação do Parque Escolar
Ao nível do parque escolar, construiremos um Centro Escolar Moderno na UF de Alvega e Concavada sendo uma das medidas para fixar alunos e jovens como forma de evitar o êxodo populacional. É uma batalha que temos que vencer!
Acompanharemos a requalificação da Escola Otávio Duarte Ferreira em Tramagal e as obras necessárias na Escola Profissional e Desenvolvimento Rural e Agricola em Mourisca;
Empenhare-mo-nos na execução das conclusões do relatório final do Projeto Educativo Municipal de Abrantes.

05-Reabilitação/habitação
Na habitação, avaliaremos a recente Estratégia Local de Habitação de Abrantes, criaremos as ARU´s necessárias para uma cobertura mais efetiva do território e asseguraremos que nenhum proprietário do concelho de Abrantes será excluido dos incentivos fiscais.

06-Economia
O retorno do mercado diário ao seu edificio de origem é uma prioridade do BE Abrantes.
O comercio tradicional terá sempre uma descriminação positiva pois reconhecemos a sua importância económica e social especialmente nas freguesias e aldeias mais afastadas do centro.

07-Cultura
Tendo em conta a entrada em breve de alguns equipamentos culturais juntando aos que existem e tendo como referência o Museu Ibérico de Arqueologia e Arte, a escolha de uma pessoa de reconhecido valor para chefiar o novo desafio que temos pela frente, é fundamental para afirmar Abrantes com uma referência no panorama cultural nacional e ibérico.
08.Freguesias
Daremos a voz às populações para se pronunciarem ao abrigo da nova Lei das Freguesias;
Lutaremos para que as freguesias tenham mais autonomia financeira e meneso dependencia do exectivo autárquico.
Para terminar, realço que agora entramos numa período crucial do nosso projeto autárquico e para isso contamos com todos e todas».