TOMAR – “Eduardo Souto de Moura: Continuidade” inaugura a 3 de março,...

TOMAR – “Eduardo Souto de Moura: Continuidade” inaugura a 3 de março, no Convento de Cristo

A Exposição “Eduardo Souto de Moura: Continuidade” que esteve patente na Garagem Sul do CCB até ao passado dia 28 de Setembro, vai abrir no próximo dia 3 de março, às 18h, no Convento de Cristo em Tomar, numa cerimónia que contará com a presença do arquiteto portuense. A exposição, que tem curadoria dos arquitetos António Sérgio Koch e André de França Campos, vai ficar patente ao público até ao dia 28 de Março.

De acordo com o site do CCB “na obra de Eduardo Souto de Moura, os simbolismos e as analogias são elementos fundamentais na composição arquitetónica. De uma forma latente, no caso dos simbolismos, ou claramente assumidas, no caso das analogias, funcionam como elementos catalisadores de um desenvolvimento mental de procura de soluções que permitem consolidar e contextualizar as suas intervenções. A uma arquitetura que procura a racionalidade na disciplina, claramente influenciada por Aldo Rossi e os seus princípios de que as preexistências, a história da arquitetura, a tradição da cidade europeia e a ideia de monumento são o ponto de partida para evolução da disciplina, contrapõe-se uma visão norte-americana inspirada em Robert Venturi, contrária à Arquitetura Moderna, defendendo uma via híbrida, onde a contradição e a ambiguidade quebram com os princípios de coerência defendidos pelo Movimento Moderno.

A utilização das regras e das ordens clássicas, como ponto de partida para a apropriação do “sitio” enquanto entidade fornecedora de referências, demonstra a inquietação do arquiteto pela maneira como as suas obras estão inseridas no território, tendo consciência de que estas funcionam como recursos de transformação do espaço envolvente e que devem ser equacionadas como tal. A materialização das suas obras está sempre associada a uma espacialização que se apoia na composição e na medida, na procura de uma arquitectura de precisão, na busca da perfeição e na sucessiva depuração dos elementos.

A redução da obra de Eduardo Souto de Moura a uma única temática acaba por não dar resposta a um conjunto de problemáticas no campo da arquitetura, que afloram as preocupações de uma complexa realidade processual, que faz parte da sua produção arquitetónica. O contexto, tanto regional, como local ou cultural, acaba por desempenhar um papel importante no processo mental que conduz às suas obras, muitas vezes num cruzamento de influências que permitem repensar, operativamente, o processo criativo ao longo da sua obra.

O suporte expositivo pretende estabelecer uma ordem clara de leitura da obra do arquiteto Eduardo Souto de Moura, onde cada núcleo é um território disciplinar, ao mesmo tempo que dá lugar ao informe, permitindo uma promenade onde o somatório sequencial das partes resulta numa obra total.” A Exposição conta com a colaboração da Secção Regional do Centro da Ordem dos Arquitectos.